Estudo de caso de uma aluna com deficiência visual adquirida durante o percurso de graduação

mediações e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky

  • Augusto César Cardoso Mendes Faculdade Pitágoras – Betim (MG)
  • Scarlet Francelli Faculdade Pitágoras – Betim (MG)
  • Luiza Rafaela Brits Faculdade Pitágoras – Betim (MG)
  • Fabíola Fernando do Patrocínio Alves Faculdade Pitágoras – Betim (MG)
Palavras-chave: Educação Especial, Mediação Simbólica, Acessibilidade, Cegueira, Psicologia

Resumo

Esse relato versa sobre a experiência de inclusão de uma graduanda com cegueira adquirida no Ensino Superior, tendo como embasamento o conceito de mediação proposto por Vygotsky. Sendo assim, buscou-se relatar de que forma foram conduzidos (e pensados) os processos de ensino e aprendizagem da estudante. Metodologicamente, realizou-se uma revisão bibliográfica para entender, com profundidade, acerca das referências sócio-históricas propostas por Vygotsky, e utilizadas como base para os atendimentos realizados com a discente. Ademais, realizou-se uma entrevista semiestruturada com a aluna, a fim de conhecer a sua experiência acerca do processo de inclusão. Construiu-se o caso clínico da discente a partir da explicação sobre o seu processo de cegueira, correlacionando-o aos desafios dessa deficiência frente à inclusão no Ensino Superior. Como arcabouço teórico, utilizou-se as diretrizes da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e as contribuições da abordagem sócio-histórica. Por fim, verificou-se que o recurso da mediação logrou sucesso no que tange aos processos de ensino e aprendizagem experienciados pela aluna. Contudo, percebeuse que apesar de o instrumento de mediação ter sido exitoso, ainda existe muito a ser feito para tornar a experiência de aprendizagem de alunos com cegueira adquirida no Ensino Superior menos rudimentar.

Biografias dos Autores

Augusto César Cardoso Mendes, Faculdade Pitágoras – Betim (MG)

Graduado em psicologia.

Scarlet Francelli, Faculdade Pitágoras – Betim (MG)

Graduada em psicologia.

Luiza Rafaela Brits, Faculdade Pitágoras – Betim (MG)

Graduada em psicologia.

Fabíola Fernando do Patrocínio Alves, Faculdade Pitágoras – Betim (MG)

Graduada em psicologia.

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 1986.

BRANSKI, R. M.; AURELIANO, R. C.; JÚNIOR, O. F. Metodologia de estudo de caso aplicada à logística. In: CONGRESSO DE PESQUISA E ENSINO EM TRANSPORTES, 23., 2010, Salvador. Anais [...]. Salvador: ANPET, 2010.

BRASIL. Decreto nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diabetes: o que é, tipos, sintomas e tratamento. 2019. Disponível em: https://saude.gov.br/component/content/article/746-saude-de-a-a-z/44609-diabetes-tipos-causas-sintomas-tratamento-e-prevencao. Acesso em: 26 abr. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF. 2001.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

CHAUÍ, M. Janela da alma, espelho do mundo. In: NOVAES, A. (org.). O olhar. São Paulo: Cia. das Letras, 2003. p. 32.

FINO, C. N. Vygotsky e a zona de desenvolvimento proximal: três implicações pedagógicas. 2. ed. Braga: Revista Portuguesa de Educação, 2001.

GREGUOL, M.; GOBBI, E.; CARRARO, A. Formação de professores para a educação especial: uma discussão sobre os modelos brasileiro e italiano. Rev. Bras. Educ. Espec., Marília, v. 19, n. 3, p. 307-324, set. 2013.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO, A. O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. Eduser Revista de Educação, 2016.

MITLER, P. Educação Inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

RAHME, M. M. F. Laço social e educação: um estudo sobre os efeitos do encontro com o outro no contexto escolar. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

SELAU, B.; DAMIANI, M. F. A conclusão da Educação Superior por cegos e a Psicologia de Vygotski: a ponta do iceberg. São Paulo: Perspectiva, 2016. p. 861-879.

SELAU, B.; DAMIANI, M. F.; COSTAS, F. A. Estudantes cegos na educação superior: o que fazer com os possíveis obstáculos? Acta Scientiarum, p. 431-440, 2017.

TOMELIN, K. N. et al. Educação inclusiva no ensino superior: desafios e experiências de um núcleo de apoio discente e docente. Revista Psicopedagogia, São Paulo v.35, n.106, p. 94-103, 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos da defectologia. 2. ed. Cuba: Pueblo y Educación, 1997.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. p. 33.
Publicado
2021-05-28
Como Citar
MENDES, A. C. C.; FRANCELLI, S.; BRITS, L. R.; ALVES, F. F. DO P. Estudo de caso de uma aluna com deficiência visual adquirida durante o percurso de graduação: mediações e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky. Benjamin Constant, v. 27, n. 62, p. 1-15 e276204, 28 maio 2021.
Seção
Relatos de Experiência Livres