Avaliação do autoconceito e da locomoção em crianças e adolescentes cegos por meio do Jogo de Orientação: “caça ao tesouro”

  • Gerson Carneiro Farias
Palavras-chave: Autoconceito, Orientação e mobilidade, Jogo de orientação

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos que um programa de Jogo de Orientação acarreta ao
desenvolvimento do autoconceito e da locomoção de duas crianças e dois adolescentes cegos, com idades
entre oito e treze anos, atendidos no Centro Brasileiro de Reabilitação e Apoio ao Deficiente Visual de Goiás
(CEBRAV/CAP). O método utilizado foi um delineamento de pesquisa quase-experimental, que tem o sujeito
como seu próprio controle, utilizando o Jogo de Orientação, no qual o aluno deve realizar um percurso, em
uma área desconhecida, marcada por círculos, tendo em mãos uma carta especial de orientação adaptada e
uma bengala. A avaliação do autoconceito e da locomoção foi realizada por dois observadores, um sistemático e outro independente, que estabeleceram o grau do acordo entre eles durante as fases da Linha de Base, na Intervenção e no Acompanhamento, fazendo uso das Fichas de Observação e Registro. Os resultados mostram uma melhora do autoconceito e da locomoção das crianças e adolescentes cegos nas categorias de competência, valor pessoal, autonomia, independência e estilo de vida. A conclusão é de que o Jogo de Orientação tem efeito positivo na construção do autoconceito e na locomoção das crianças e adolescentes cegos, com a finalidade de desenvolver autonomia e independência, e favorecer a inclusão social.

Publicado
2020-03-31
Como Citar
FARIAS, G. C. Avaliação do autoconceito e da locomoção em crianças e adolescentes cegos por meio do Jogo de Orientação: “caça ao tesouro”. Benjamin Constant, v. 2, n. 59, p. 136-161, 31 mar. 2020.
Seção
Artigos Livres