Perfil dos estudantes com deficiência visual pelo Censo Escolar — Brasil, 2008-2015

  • Fabio Brandolin Instituto Benjamin Constant
  • Sérgio Henrique Almeida da Silva Junior Instituto Benjamin Constant
  • Vladimir Schuindt da Silva Instituto Benjamin Constant
Palavras-chave: Educação Especial, Deficiência visual, Inclusão

Resumo

A deficiência visual (DV) compromete 2,2 bilhões de pessoas no mundo, com reflexos na rede regular de ensino brasileiro. Objetivou-se descrever o perfil dos estudantes brasileiros com DV entre 2008 e 2015. Trata-se de um estudo descritivo, que utilizou dados do Censo Escolar. Avaliou-se a associação entre DV e indicadores socioeconômicos e demográficos por meio dos testes Qui-quadrado, não paramétrico de Wilcoxon e a correlação linear de Spearman. Dos 51 milhões de estudantes no Brasil,entre 2008 e 2015, 53.760 tinham DV. O IDH, PIB e o número de médicos por 100.000 habitantes correlacionaram-se positiva e significativamente à taxa de “alguma deficiência”, no entanto a taxa de DV mostrou-se correlacionada negativamente com os mesmos indicadores. A maioria dos alunos com DV foi do sexo feminino (50,2%), da raça parda (41,3%), da EJA (39,8%), com média de 25,3 anos de idade, da rede municipal de ensino
(71,3%) e da Região Nordeste do país (52,7%). O perfil evidenciado sugere a urgência de ações estratégicas de iniciativas políticas e educacionais que levem em conta as disparidades sociais na população de escolares com DV no Brasil.

Biografias dos Autores

Fabio Brandolin, Instituto Benjamin Constant

Doutor em Educação

Instituto Benjamin Constant (IBC)

Sérgio Henrique Almeida da Silva Junior, Instituto Benjamin Constant

Doutor em Ciências

Instituto Benjamin Constant (IBC)

Vladimir Schuindt da Silva, Instituto Benjamin Constant

Doutor em Ciências

Instituto Benjamin Constant (IBC)

Publicado
2020-12-05
Como Citar
BRANDOLIN, F.; SILVA JUNIOR, S. H. A. DA; SILVA, V. S. DA. Perfil dos estudantes com deficiência visual pelo Censo Escolar — Brasil, 2008-2015. Benjamin Constant, v. 2, n. 61, p. 42 - 54, 5 dez. 2020.
Seção
Artigos Livres