Aplicabilidade do grupo focal com pessoas cegas

  • Fabiane Frota da Rocha Morgado Universidade Estadual de Campinas
  • Angela Nogueira Neves Betanho Campana Universidade Estadual de Campinas
  • Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares Universidade Estadual de Campinas

Resumo

 

 

 

 O grupo focal é uma técnica de pesquisa qualitativa utilizada para gerar ideias e níveis de interesse de pessoas que compartilham características comuns. Na literatura do grupo focal, são escassos os subsídios teóricos referentes à aplicabilidade dessa técnica com pessoas cegas. Esses subsídios poderiam propiciar ao pesquisador brasileiro os conhecimentos básicos e importantes para implementação de grupos focais em populações com cegueira. O objetivo deste estudo teórico foi descrever os princípios da técnica do grupo focal (elementos, características e etapas de execução) direcionados para aplicabilidade em sujeitos com cegueira. Foi demonstrado que a sistematização geral das etapas de planejamento de um grupo focal para pessoas que não enxergam e para a população geral é semelhante. Entretanto, algumas diferenças importantes foram destacadas, as quais envolvem a atitude do moderador e alguns aspectos estruturais do planejamento e aplicação do grupo focal. Conclui-se que a abordagem dessa técnica com indivíduos cegos, se bem planejada e conduzida, pode prover conhecimentos importantes, os quais poderiam ser convertidos em benefícios a essa população, provindos de proposta e estratégias baseadas em informações genuínas desse grupo de pessoas.

Biografia do Autor

Fabiane Frota da Rocha Morgado, Universidade Estadual de Campinas

É doutoranda em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas e mestre em Educação Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2009); é especialista em Aspectos Metodológicos da Pesquisa Científica pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2007); tem Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2004); tem se interessado em estudar a imagem corporal de pessoas com cegueira congênita e investigar métodos e técnicas de avaliação da imagem corporal desse grupo de pessoas.

Angela Nogueira Neves Betanho Campana, Universidade Estadual de Campinas

É doutoranda em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas e mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas; tem bacharelado em Treinamento em Esportes pela Universidade Estadual de Campinas (2001); especialização em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2004); tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em esportes aquáticos, voltados tanto para o treinamento esportivo quanto para a iniciação esportiva e aplicação com finalidades terapêuticas para grupos especiais.

 

.

 

 

Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares, Universidade Estadual de Campinas
É graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1980), graduação em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (1977), mestrado em Medicina Interna pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e doutorado em Medicina Interna pela Universidade Estadual de Campinas (1992); obteve o título de livre-docente (2003) e atualmente é professora titular da Universidade Estadual de Campinas; tem experiência na área de reabilitação e imagem corporal

Referências

BARBOUR, R. S. Making sense of focus groups. Medical Education, n. 39, p. 742-750, 2005.

BITTNER, A. K.; EDWARDS, L.; GEORGE, M. Coping strategies to manage stress related to vision loss and fluctuations in retinitis pigmentosa. Optometry, v. 81, p. 461-468, 2010.

CARIGNAN, M. et al. Content validity of a home-based person-environment interaction assessment tool for visually impaired adults. Journal of Rehabilitation Research & Development, v. 45, n. 7, p. 1.037-1.052, 2008.

COLLIER, M. J.; SCOTT, M. Focus group discourses in a mined landscape. Land Use Policy, v. 27, p. 304-312, 2010.

COYNE et al. The impact of diabetic retinopathy: perspectives from patient focus groups. Family Practice, v. 21, n. 4, p. 447-453, 2004.

CUMBIE, B. A.; SANKAR C. A. The need for effective network interconnectivity among multiple partners in a disaster-embattled region: a content analysis of an exploratory focus group. Study Journal of Contingencies and Crisis Management, v. 18, n. 3, p. 155-164, set. 2010.

DETMAR, S. B. et al. The use of focus groups in the development of the KIDSCREEN HRQL questionnaire. Quality of Life Research, v. 15, p. 1.345-1.353, maio 2006.

FRASER W. J.; MAGUVHE M. O. Teaching life sciences to blind and visually impaired learners. Journal of Biological Education, v. 42, n. 2, 2008.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.

GERBER, E. The benefits of and barriers to computer use for individuals who are visually impaired. Journal of Visual Impairment & Blindness, p. 536-550, 2003.

GORODZEISKY, A. Focus groups as a tool in the construction of questionnaires: the case of discriminatory attitudes. Quantity and Quality [online], 7 jan. 2010.

GREENBAUM, T. L. The handbook for focus group research. 2. ed. Estados Unidos: Sage Publications, 1998.

LERVOLINO, S. A.; PELICIONI, M. C. F. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev. Esc. Enferm. USP [online], v. 35, n. 2, p. 115-121, 2001.

LONG, R. G. Housing design and persons with visual impairment: report of focus-group discussions. Journal of Visual Impairment & Blindness, v. 89, n. 1, jan./fev. 1995.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis. Thousand Oaks, CA: Sage, 1994.

MORGAN, D. L. Focus groups. Annu. Rev. Sociol., n. 22, p. 129-152, 1996.

______. Focus groups as qualitative research. Londres: Sage Publications, 1997.

______. The focus group guidebook. Thousand Oaks, CA: Sage, 1998.

______; SPANISH, M. T. Focus groups: a new tool for qualitative research, Qualitative Sociology, v. 7, n. 3, p. 253-70, 1984.

MURTHY et al. The development of the Indian vision function questionnaire: questionnaire content. Br. J. Ophthalmol., v. 89, p. 498-503, 2005.

O’DAY B. L; KILLEEN M.; IEZZONI L. I. Improving health care experiences of persons who are blind or have low vision: suggestions from focus groups. American Journal of Medical Quality, v. 19, n. 193, 2004.

PACKER-MUTI, B. Conducting a focus group. The Qualitative Report, v. 15, n. 4, p. 1.023-1.026, jul. 2010.

RANA, M. M.; REYNOLDS, T.; CIRSTEA, M. Developing a prototype using mobile devices to assist visually impaired users. In: THE IEEE

INTER-NATIONAL SYMPOSIUM ON INDUSTRIAL ELECTRONICS – ISIE08. Cambridge, 30 jun./2 jul. 2008.

ROTHWELL, E. Analyzing focus group data: content and interaction. Scientific Inquiry-JSPN, v. 15, n. 2, p. 176-180, abr. 2010.

STRAKA et al. The focus group as a demonstration technique. Journal of Extension, v. 47, n. 6, dez. 2009.

TONG, A.; SAINSBURY, P.; CRAIG, J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. International Journal for Quality in Health Care, v. 19, n. 6, p. 349-357, set. 2007.

TRAD, L. A. B. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 777-796, 2009.

TRILLING, J. F. Selections from current literature: focus group technique in chronic illness. Family Practice, v. 16, n. 5, p. 539-541, 1999.

WILKINSON, S. Focus groups in health research: exploring the meanings of health and illness. Journal of Health Psychology, v. 3, n. 3, p. 329-348, 1998.

WOLFFE, K. E.; CANDELA, T.; JOHNSON, G. Wired to work: a qualitative analysis of assistive technology training for people with visual impairments. Journal of Visual Impairment & Blindness, v. 97, n. 11, nov. 2003.

WYATT, T. H.; KRAUSKOPF, P. B.; DAVIDSON R. Using focus groups for program planning and evaluation. Journal of School Nursing, v. 24, n. 71, 2008.

Publicado
2017-03-10
Seção
Artigos